parentalidade

Quem cuida das nossas crianças?

12:16

Resultado de imagem para children playing
Ontem caiu uma criança na escola dos meus filhos. Um menino do 4.º ano cuja idade rondará certamente os 9/10 anos. Caiu dentro do edifício da escola, do corrimão do primeiro andar para o andar de baixo. Ficou ali, não sei se inconsciente à espera dos bombeiros. A mãe foi chamada de imediato e chegou a tempo de ir na ambulância. Esta criança, está internada nos cuidados intensivos. No caminho para casa, hoje de manhã, chorei. Chorei por este menino, chorei por esta mãe e chorei por todas as crianças no ensino que não são adequadamente vigiadas. 

Ontem, sem saber do sucedido tinha-me deslocado à escola para falar com o coordenador para me queixar justamente da falta de pessoal. Na terça feira o meu R. levou uma cabeçada tão violenta na cara que ficou com um dente a abanar, mordeu a língua deitando sangue, a ferida virou uma afta gigante que lhe afecta a alimentação e até a fala, o maxilar estava ligeiramente esfolado e a ponta a orelha tinha uma pisadura. Ninguém viu, ninguém ouviu, deve ter tido dores terríveis mas até ontem de manhã ninguém sabia de nada. Uma criança de cinco anos leva uma cabeçada com estas consequências e ninguém o viu ou ouviu chorar. 

Quem cuida das crianças afinal? Percebo que o rácio de cuidadores é de 1 auxiliar para 30 crianças na pré e aumenta para 50 na primária. Uma pessoa a vigiar 50 crianças? A sério? E consideram os nossos filhos bem entregues? Isto é normal? As crianças estão na realidade entregues a si próprias. E ainda nos dizem para ficarmos descansados, que eles estão bem cuidados. Estão mesmo? Então alguém que justifique o "acidente" do meu filho, o facto de no dia seguinte um colega lhe ter dado um murro no estômago e outro na boca (que estava ferida e dorida da cabeçada da véspera) ninguém saber de nada. Ele dizer-me que disse à educadora e a mesma a mim afirmar não saber de nada. Alguém que justifique ontem uma menina da primária ter subido a uma árvore e ter sido empurrada ficando com a cara esfolada. 

Alguém que justifique haver um menino nos cuidados intensivos do hospital por ter caído do primeiro andar. É que ninguém viu nada. Onde andam os cuidadores dos nossos filhos afinal? A vigiá-los é que não é!


beleza

Threading na Wink do Oeiras Parque

12:12

Ontem depois de almoço dirigi-me à Wink do Oeiras Parque onde tinha marcação para as 15h30, havia duas pessoas a terminarem (uma dela era a apresentadora da SIC Rita Andrade) pelo que fui atendida logo de seguida, mais de 20 minutos antes da hora marcada. 

Foi a minha primeira experiência em threading ou depilação com linha por isso não posso fazer comparações com experiências anteriores. Posso dizer porém que o pêlo das minhas sobrancelhas é muito grosso e por isso muito doloroso de tirar e por isso é que evito fazê-lo muitas vezes. 

Estava um bocado ansiosa ao sentar-me na cadeira, aquilo sendo open space qualquer pessoa que passe pode ver quem está ali e não aprecio muito esse tipo de exposição, a atendente era muito simpática, explicou o processo, o que iria fazer, como eu deveria posicionar-me, perguntou como queria a sobrancelha se mais definida ao que disse que queria apenas tirar o excesso, explicou também que não ficariam simétricas já que pelo formato do meu rosto não seria possível.

Como referi não posso comparar com experiências anteriores mas posso comparar com cera e com pinça. Bom no caso da cera, aprendi há uns anos que não se deveria fazer mas disseram-me tantas coisas diferentes que fiquei sem perceber muito bem como deveria agir, é uma dor momentânea mas que passado umas horas já não há reflexos na pele (vermelhidão, dor, etc). Pinça custa muito por ter de arrancar pelo a pelo e como disse o meu é muito grosso e por isso muito doloroso. Em relação ao threading, por cima não custou nada, a dor é mínima, não se sente quase nada mas em baixo doeu muito ao ponto de me deixar a cerrar os dentes o tempo todo. A sensação que me deu é que me estava a puxar a pele e não o pêlo daí a dor. A minha irmã que foi comigo disse que a minha pele ficou demasiado ferida em baixo e que realmente me devem ter puxado muito a pele. Ainda hoje ao passar o dedo na área depilada (em baixo) sinto uma dor ligeira.

Pretendo ir novamente claro porque é um processo muito rápido e apesar da dor que senti desta vez julgo que as próximas experiências possam ser melhores e claro adorei o resultado que fez toda a diferença no meu rosto. 

Pessoal

Tempo, não voltes para trás!

09:40

Já lá vai o tempo que fui esta pessoa. O tempo não volta e as recordações não ficam mais doces só porque os anos se sucedem. Tinha 24 anos acabados de fazer. Tinha-me separado recentemente com uma filha de 3 anos nos braços e um patrão que não me pagava ordenado desde que o meu ex havia saído de casa. Mas eu nunca me tinha sentido tão livre e tão feliz não sabia, na altura que esta foto foi tirada, tudo o que iria enfrentar.

Os problemas vieram depois, tudo se desmoronou. O mundo caiu-me em cima e eu não sabia o que fazer ou para onde me virar. Perdi a força, fechei-me na minha concha e fiz-me de morta. Não queria nada daquilo, comecei a tornar-me amarga, de mal comigo e com o que a vida me estava a tornar.

Muita coisa sucedeu e não vale a pena contar tudo, sei que grande parte do que aconteceu foi por inação minha, por choque e completamente transtornada por me acontecerem coisas que não esperava e não tinham sido culpa minha por isso recusava-me a resolver.

Comecei a ter ansiedade, tinha crises horríveis em que mal conseguia respirar, a sensação era sempre a mesma, não entrava ar suficiente. Foram meses assim, acabou por passar sozinho, nunca fui ao médico e engordei, só nestes meses de crise, 16kgs. Quando percebi fiquei em choque. Como é que era possível estar assim? Mais uma vez desanimei e baixei os braços.

Anos de desemprego, dependente de terceiros, sem saber o que fazer à minha vida, andava "aos caídos".

Foi sempre culpa minha que por me recusar a resolver problemas causados por outras pessoas mas que me afectavam directamente, deixei que toda a minha vida fosse destruída. A ansiedade volta sempre, já engordei mais 9kgs em cima dos 16 que já tinha a mais.

Dói que me digam que não estou muito gorda, que nem estou mal, que não pareço ter tanto peso como a balança indica. A auto estima que nunca tinha sido grande coisa morreu, acabou-se. Não sei como trabalhar nela e fazê-la renascer, nem que seja um bocadinho.

Este meu desabafo é só para dizer que com os anos percebi que não posso julgar ninguém por ser como é, não sabemos o que viveu, por onde passou, o que construiu e o o que perdeu. Cada vez julgo menos apesar de ser costume do ser humano fazer tal disparate. Assim como aboli a inveja da minha vida. Se depois de tudo o que vivi há quem me diga que tem inveja de mim como sou capaz de invejar os outros? Não invejo ninguém, não sei o passado nem o presente das pessoas nem o que as levou àquele ponto.

Ainda tenho um longo caminho a percorrer mas já consigo ter um pouco mais de foco. Falta recuperar tudo o que perdi e o mais difícil vai ser a dignidade e a auto confiança.

Não gostaria nada que o tempo voltasse atrás, não quero passar por tudo novamente.

kdrama

As novidades da tvN para Outubro

12:22

Decidi voltar a ver doramas com mais frequência, depois de uns meses apática sem vontade para nada decidi pesquisar o que vem por lá para Outubro. Já não basta a lista infindável que tenho para ver não é?

Pois bem decidi separar por emissoras e estas serão as novidades da tvN para o mês de Outubro:



File:Because This Is My First Life.jpg
Detalhes
Título: 이번 생은 처음이라 / Ibeon Saeng-eun Cheo-eumira / Em inglês This Life is Our First
Género: Drama, romance, comédia
N.º Episódios: Desconhecido
Broadcast Network: tvN
Início: 2017-Oct-09
Exibição: Monday & Tuesday 22:50



Buam-dong Revengers-SR.jpg
Detalhes
Title: 부암동 복수자들 / Buamdong Boksujadeul/ Buamdong Revengers / Buam Dong Revenge Social Club
Género: Drama, Amizade
N.º Episódios: Desconhecido
Broadcast network: tvN
Início: 2017-Oct-11
Exibição: Wednesday & Thursday 22:50


Revolutionary Love-SR.jpg
Detalhes
Title: 변혁의 사랑 / Byeonhyeokui Sarang / Byun Hyuk's Love / Byeon Hyeok's Love
Género: romance, comédia
N.º Episódios: 16
Broadcast network: tvN
Início: 2017-Oct-14Exibição: Saturday & Sunday 21:00

social

Blogs do ano? Vou ali rir

14:20


Já estão a votação os blogs da 2.ª edição dos Blogs do Ano, é esta uma iniciativa do grupo Media Capital, dona da TVI, o que só por si explica muita coisa. Poderão perguntar-se se será dor de cotovelo, dificilmente já que este blog foi criado a semana passada e o meu Crónicas nem sequer se insere em qualquer categoria. A cultura não merece destaque.

O que a mim me irrita nem é tanto o facto de serem sites e não blogues, uma vez que estão em constante actualização é de facto considerado blog. Só que não o são. 

Blog é a contração de duas palavras inglesas web e log que significa diário em rede ou seja é um sítio electrónico de actualização rápida através de artigos ou posts. Um blogue pode ser escrito por uma ou mais pessoas dependendo da forma como está organizado e terá um tema específico ou pode ser generalista. Regra geral o blogue é um sitio mais ou menos pessoal onde o autor poderá fornecer informação específica ou opinião pessoal. Acho que não falhei na definição do que é um blogue.

Então Vera, o que te incomoda afinal? O que me incomoda é que em primeiro lugar vários dos nomeados estão directa ou indirectamente ligados à TVI, como é o caso da maquilhadora Inês Franco e da actriz Jessica Athayde (do blogue Jesse James). Em segundo lugar e para mim o mais grave é o facto de muitos destes blogues serem na verdade geridos por agências de comunicação e/ou terem toda uma equipa a trabalhar por trás. Lembro-me de uma vez ver uma reportagem onde foram entrevistados alguns "bloggers" famosos. Cláudio Ramos dizia ser facílimo ter tudo de graças e chegava a recusar ofertas incluindo viagens. Vanessa Martins do blog Frederica falava da sua equipa, de como tinha de ganhar para pagar os ordenados e que recebia pela publicidade que fazia, então a equipa tinha entre outros num gestor de conteúdo que escrevia os artigos, por favor digam-me que detectaram o erro nesta frase. 

Pois esse é realmente o meu problema, um blog para mim tem de ser algo que nós criamos para um determinado público alvo, a partir do momento em que se contrata alguém para escrever o conteúdo de algo que nós damos a cara deixa de ser nosso. Ou não? Não consigo encarar essas pessoas como bloggers mas antes como a imagem de determinado blog. São profissionais porque têm dinheiro para investir e sendo uma figura já conhecida do público é mais fácil as marcas apostar nessas pessoas.

Ora quantas marcas apostam em blogues com 50 seguidores e 300 Gostos no Facebook? Vá é raro e é normal que não o façam. Mas garanto que existem blogues com milhares de seguidores e dezenas de milhares de Gostos em páginas de Facebook que enfrentam igualmente problemas em conseguir patrocínios de marcas, muitas achando que dando meia duzia de produtos que cala a boca do blogger, ou que este está a ser bastante privilegiado.

Vá lá gente, ninguém come maquilhagem, nem livros, nem telemóveis (ah espera o pessoal da tecnologia é ainda pior já que só pode testar os equipamentos não podendo ficar com eles). Enquanto se continuar a projectar actores ou jornalistas os verdadeiros criadores de conteúdos e verdadeiros merecedores de reconhecimento ficam fora das luzes da ribalta.

Já chega de afagar egos! Sou a favor de blogues reais, de pessoas reais. Desde que tenham uma voz activa e cheguem a massas, para mim já são vencedores.

parentalidade

Distico de Deficiente para Pais

14:35


Resultado de imagem para parentalidade

Tenho pensado seriamente neste assunto e estou convicta que deveria haver um dístico de deficiente para pais. Enquanto alguns nunca deveriam ser pais outros deveriam ter algo que os identificados como pessoas que irão dar ou estão a dar uma educação deficiente aos seus filhos.


Eu sei bem, pois tenho três, que é muito difícil educar um filho e que nem sempre eles obedecem aos ensinamentos que lhes damos mas se não lhos dermos dificilmente eles conseguirão apreender algumas regras básicas da sociedade.

Ontem fui buscar o R. à pré-escola, apesar de em casa ser extremamente irrequieto em ambientes com muita gente o meu filho fica tímido. Saiu da sala num passo calmo, sorriu-me e deu-me um beijo e um abraço. Infelizmente ficou no meio do caminho, passa uma coleguinha a correr, dá-lhe um encontrão que o ia fazendo cair ao chão. Até aqui normal, são crianças, são coisas que acontecem a todos. O que houve de errado aqui? A miúda atirou-se para o colo do pai, o pai que viu toda a cena, abraçou e beijou a menina, começou a falar de outras coisas e nunca por um segundo lhe deu a mais leve repreensão ou mesmo uma pequena alusão ao acontecido. Seria óbvio, para mim, que ele deveria ter dito que ela deveria ter cuidado pois deu um encontrão ao colega e no mínimo um pedido de desculpa. Nada!

Isto seria algo minúsculo e até passaria ao lado se uns dias antes a mesma menina, acompanhada do avô (que aparentemente também precisa de um dístico) ao passar por mim a correr não me tivesse empurrado para dar balanço na sua brincadeira, ou se não tivesse ao dar pontapés para trás (noutro dia) quase acertado em mim e no R. É certo que as crianças brincam e são irrequietas mas há alturas em que os adultos responsáveis devem chamar à atenção para que eles percebam que estão errados. 

Vinha eu a matutar nisto no caminho para casa, quando vejo um menino dos seus 4 anos, chegar à porta do prédio onde mora, estando a mãe a abrir a porta o menino abre a braguilha e toca de fazer chichi virado para quem quisesse passar. A mãe estava na maior como se não estivesse a passar nada. Já cerca de dois anos antes, na saída da pré (da minha L.) uma menina sai da escola acompanhada da mãe, chegando às traseiras da escola, baixa a cuequinha e faz chichi ali, sem uma repreensão da mãe.

Se já acho errado uma criança fazer chichi na rua, pior ainda são os pais que não os repreendem e/ou os incentivam a tal comportamento. Ainda para mais quando estão a sair da escola onde têm casas de banho ou a chegar a casa onde vou só assumir que também as tenham.

Não é fácil ser pai ou mãe mas há coisas tão básicas que podemos ensinar aos nossos filhos. Se os meus são perfeitos? Não, nem esperaria que fossem, senão não eram crianças, eram robots. Só que as pessoas reclamam tanto da sociedade e do mundo e da forma como as coisas são conduzidas e esquecem que é de pequeno e nas pequenas coisas que se cria a personalidade. Se uma criança crescer a pensar que pode empurrar os outros para chegar onde quer ou fazer qualquer coisa na via pública, que adultos serão?

kdrama

Primeira impressão de Temperature of Love

18:51


Ontem andei à procura de um novo drama e faço sempre as minhas pesquisas no site Iheartdrama, é um site com kdramas legendados em inglês e que acompanha sempre os lançamentos. Quando não acho disponível gratuitamente na app do Viki lá vou eu para este site.

Temperature of Love é um drama que conta a história de Hyun Soo uma escritora/guionista que sonha escrever dramas e Jung Sun um aspirante chef de cozinha francesa. Eles conhecem-se on-line e por intermédio de amigos acabam por se conhecer pessoalmente.

Temos aqui uma excelente oportunidade de rever Seo Hyun Jin cujas prestações em Another Miss Oh e Romantic Doctor, Teatcher Kim são notáveis que irá contracenar com outro colega de Romantic Doctor Yang Se Jong.

Com um total de 40 episódios, não muito longos, de sensivelmente 30 minutos cada, Temperature of Love promete trazer romance aos meus serões.

Ontem vi os dois primeiros episódios, o início é prometedor, com um conflito entre a guionista e o director de um programa de culinária e posteriormente o choque do reencontro com Jung Sun. Aqui somos transportados para alguns anos antes quando os jovens se conhecem. Pareceu-me muito interessante e vou continuar a acompanhar. E vocês já seguem este drama?